Arrematar na Primeira ou na Segunda Praça?

Arrematar na Primeira ou na Segunda Praça?

O leilão é sempre visto como uma grande oportunidade de comprar um bem com valor abaixo do mercado, mas fica a dúvida: devo arrematar na primeira ou na segunda praça?

Essa questão contém uma série de variáveis que devem ser pensadas e planejadas por quem deseja adquirir um bem específico através de um leilão.

Quando arrematar na primeira praça

Sabe aquele apartamento que você já está de olho? Naquele condomínio específico ou com especificações parecidas? Nestes casos é importante ficar atento à abertura do leilão, à primeira praça (ou primeiro leilão). Como o valor proposto é aquele da avaliação, sem desconto, é possível que você arremate o bem sozinho.

Normalmente os valores de avaliação já são um pouco abaixo do valor de mercado do bem. Essa é uma grande oportunidade de arrematar o bem sem concorrência e com valor justo.

Na segunda praça o valor é menor e a concorrência é maior

Já na segunda praça é aplicado o desconto previsto em edital, uma grande oportunidade de investimento para moradia ou revenda de um imóvel por exemplo, porém a concorrência é maior nessa fase do leilão.

Os lances dados pelos participantes vão diminuindo, gradativamente, o desconto. Em alguns casos o valor do bem chega bem próximo da avaliação inicial, com o risco de você não ser o arrematante caso esteja empenhado em adquirir aquele bem, o que não ocorreria no arremate em primeira praça.

Planejamento e estudo para entender se deve arrematar na primeira ou segunda praça

Essa dica vale para todos que desejam participar de um leilão em busca de um bem específico. Planejar todos os detalhes e movimentos durante o leilão é uma forma de não ultrapassar o seu orçamento, evitando fazer loucuras que não possam ser mantidas depois.

Estude as características do bem, leia bem o edital e toda documentação disponível, assim você já prevê quais serão os seus custos posteriores ao leilão como advogado, reformas e obras.

Sobre o autor

Carlos Campanhã

Leiloeiro Público – JUCESP nº 1.053 - Desenvolveu sólida carreira como Advogado |OAB nº 217.472| advogando para grandes empresas de São Paulo, onde conheceu o grande negócio que são os leilões, passando a assessorar investidores na arrematação de imóveis em leilões judiciais e posteriormente fundou a PRÓ-JUD LEILÕES.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.